eu te amo

Estou cá tentando escrever a última postagem de 2010, mas a inspiração insiste em fugir de mim. Tentei até me apoiar em Vinícius de Morais (esta noite, sonhei que ele estava sentado à minha direita numa mesa de bar) ou Jesus Cristo (amai-vos uns aos outros), em vão. Queria dizer que na era da internet, em que o tempo voa veloz, os amores seguem o mesmo ritmo. Não apenas entre amantes, mas entre amigos, colaboradores, parceiros, todos, enfim. O mundo está carente de amor porque as pessoas não sabem ou desaprenderam a amar. No mundo virtual e no real, tudo é passageiro, a fila corre, superágil, enquanto os sentimentos, ressequidos, exalam artrite e naftalina. Gostaria de acreditar quando me dizem eu te amo, mas estas três palavras foram tão banalizadas que ficou fácil de pronunciá-las. Antes, pensava-se mais antes de dizer. Hoje, dizem sem pensar. Falam sem amar. Desejo que em 2011 as pessoas, crianças, jovens e idosos reaprendam o significado dessas palavras. Que o ser humano ame mais, independentemente de semelhanças, mas com o coração e mente lúcidos, conscientes do real significado do amor. Parece brincadeira, mas não é: só o amor salva.


Queima de fogos na Praça da Catedral

De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura, "a estimativa é de que os fogos iluminem o céu da cidade por, aproximadamente, 12 minutos, a partir da meia-noite, logo após a celebração da missa."
Gostaria que as cores no céu fossem silenciosas, no máximo, sibilantes. Seria perfeito, amoroso, demais.


Excepcionalmente, nesta semana, a Coluna Minha História não será publicada porque o jornal Correio Sudoeste está em recesso.

Comentários

Lorêny Portugal disse…
eita, Sheila, você tem razão...dizer eu te amo há um tempo era mais difícil e soava mais verdadeiro. Demorávamos a dizer tais palavrinhas mágicas, com medo de errar ou fazer com que o outro acreditasse em palavras vãs...
Mais uma vez a senhorita arrazou...
Acelera aêee, o coração, hoje é dia de Iveteeee....

Postagens mais visitadas deste blog

transformAÇÕES

guerreira da roça

guaxupé - cem histórias