Postagens

Mostrando postagens de 2015

a aerodinâmica dos pássaros

Imagem

cine 14 bis em 3D

Imagem
Acabei de voltar de uma fantástica viagem pela Terra do Nunca. Bombas, balas de canhões passaram por mim. A linda pena de um pássaro colorido quase pousou em minha mão. Fadinhas voaram sobre minha cabeça. Viajei entre as estrelas e paisagens coloridas junto com o menino voador de 12 anos. Não me lembro de ter conhecido antes a história de amizade entre Peter Pan e o Capitão Gancho, ambos parceiros nessa emocionante aventura. O feioso capitão da minha infância ganhou charme e beleza. Em compensação, o viril Hugh Jackman, o Volverine, ficou irreconhecível no papel do egocêntrico e malvado pirata Barba Negra.



Na plateia, um emocionado Santos Dumont assistiu a tudo junto com Mauri Palos, o intrépido empreendedor do cinema guaxupeano inaugurado há 15 anos e que, a partir desta data, conquistou a moderna tecnologia em 3D. Foi, também, minha primeira experiência com esse tipo de projeção. Inicialmente, fiquei meio tonta, mas logo me adaptei. Havia crianças de 5 e 6 anos na sala. Obviamente, e…

a festa de cidadania do exército do bem

Imagem
Aconteceu, na quadra pública do Jardim Recreio, na última segunda-feira, festa em homenagem ao Dia das Crianças, realizada pelo Exército do Bem. O evento reuniu cerca de 1.000 pessoas, entre adultos e crianças, oriundas também dos bairros vizinhos - Catetos, Colmeia e Parque dos Municípios, entre outros.

Este é o terceiro ano que o evento é realizado, com investimento de patrocinadores, empresas e pessoas físicas, de dentro e fora da comunidade. Desta forma, o Exército do Bem conseguiu distribuir três mil cachorros quentes, 1.500 picolés, 35 fardos de refrigerantes e 1.200 saquinhos surpresa, com pipoca, bala, pirulito e doce. O Motoclube Esqueletos do Asfalto contribuiu com uma quantidade adicional de balas, e seus integrantes participaram da distribuição de refrigerantes.

Maria Natalina Domingos Carlota, moradora do entorno e cozinheira profissional, preparou, sozinha, mil cachorros quentes, semelhante aos dois anos anteriores. “Ajudo com prazer, o retorno vem em forma de mais seguran…

introdução à arte das montanhas

Imagem
Um animal passeia nas montanhas.
Arranha a cara nos espinhos do mato, perde o o fôlego
mas não desiste de chegar ao ponto mais alto.
De tanto andar fazendo esforço se torna
um organismo em movimento reagindo a passadas,
e só. Não sente fome nem saudade nem sede,
confia apenas nos instintos que o destino conduz.
Puxado sempre para cima, o animal é um ímã,
numa escala de formiga, que as montanhas atraem.
Conhece alguma liberdade, quando chega ao cume.
Sente-se disperso entre as nuvens,
acha que reconheceu seus limites. Mas não sabe,
ainda, que agora tem de aprender a descer.


Conheci o poeta Leonardo Fróes na revista Vida Simples. Curiosamente, essa edição passou despercebida, atraindo minha atenção recentemente. Talvez porque cada coisa tem a hora certa de acontecer. Não nascemos prontos para ver, tampouco sentir. Vamos colhendo e colecionando aprendizados ao longo da nos…

segue o seco

Imagem
Queimadas, criminosas ou não, parecem (padecem) incontroláveis. Com tantas pesquisas por aí, por que ninguém descobre um meio de controlar esse fogo? Talvez pulverizando as áreas afetadas com um pó específico para essa finalidade, como muitos planadores costumavam derramar agrotóxicos nas plantações - não poluente, obviamente. Mas todos os anos, cada vez mais os incêndios dizimam áreas de preservação e florestas sem que o homem consiga inibir tais catástrofes. A paisagem remete ao inferno, o pulmão doi, os olhos ardem. A alma chora, ainda que não possa ver o sofrimento dos seres consumidos pelo fogo. Há os que agonizam por muito tempo antes de morrer. Não há hospitais veterinários para atender a demanda, nem que fosse ínfima. No Cazaquistão, milhares de saigas foram exterminadas por uma bactéria misteriosa (leia aqui). Esses antílopes, espécie em situação crítica, reciclam nutrientes no estepe árido prevenindo incêndios florestais alimentados por muita serrapilheira no chão. A demanda…

Alguém aí sabe a saída certa?

Imagem
Em São Pedro da União, município vizinho com pouco mais de cinco mil habitantes, não há nenhum Pet Shop. Já em Guaxupé, com seus 51 mil, a cada dia inaugura-se uma nova loja, totalizando cerca de 20 comércios voltados à prestação de serviços e/ou venda de produtos para animais domésticos. Em ambiente ideal, seriam 2 mil clientes para cada um. Respeitadas as diferenças, em ambos os lugares, a Prefeitura não é eficaz (quando há boa vontade) na criação de uma política pública que atenda de maneira adequada - politicamente, socialmente e ambientalmente - a população de animais abandonados. Ambas reproduzem maus-tratos, recolhendo animais das ruas e soltando em municípios vizinhos, prática tanto ilegal quanto desumana. Ambas não valorizam ou tampouco firmam parcerias com cidadãos dispostos a contribuírem voluntariamente com a causa animal. Cidadãos que, até mesmo, investem o próprio dinheiro em cuidados que deveriam ser abrangidos pelo poder público, etc. etc. etc.

Ambas não executam as pen…

Eu, Flamboyant

Imagem
Este texto foi inspirado em uma conversa com Laise Maria, com quem compartilho uma sintonia fina, própria de grandes amigas. A revista Vida Simples também me proporciona algumas momentos interessantes de reflexão. Lá conheci a urna funerária biodegradável produzida por um estúdio de design espanhol. Dentro dela, as cinzas do morto vão se juntar a sementes que irão germinar e formar uma árvore a ser escolhida pelo freguês. Achei bacana a ideia de me transformar num Flamboyant depois de morta. Essa espécie sempre chamou minha atenção. Além de produzir flores de cores entre vermelho, laranja e amarelo, possuem troncos contorcidos, diversificados, como num irreverente balé da vida. Majestosos na sua simplicidade ("se a mulher precisar fazer xixi em pé, que seja com arte", frase do Boca a Boca 2006). Uma esperança concreta de vida após a morte, já que ao nosso corpo deteriorado nunca se ofereceu outra possibilidade a não ser se transformar em um necrochorume poluidor. Poderemos, …

Animais vivos em chaveiros de plástico

Imagem