explicação sobre as árvores

Deixa eu explicar novamente e melhor. Meses atrás, devido às chuvas, vários troncos e galhos de árvores despencaram nas ruas, alguns, sobre carros (vazios, ainda bem). Conversei com Mozart Faria, na época (tem postagem anterior), sobre as providências que seriam tomadas pela Prefeitura para evitar novos acidentes. Ele me disse que viria um técnico do Estado para fazer uma análise da situação de todas as árvores situadas em local público. Mediante o laudo desse profissional, seriam tomadas as providências cabíveis. Só não sei por que estão demorando tanto, me parece necessária outra visita à secretaria de Meio Ambiente para obter esta resposta, pois a primavera já se aproxima e logo, logo, as chuvas de verão. Setembro seria o mês ideal para plantar novas mudas, partindo do pressuposto, desde já, que todas as árvores arrancadas serão imediatamente substituídas.

De antemão, digo que alguns Ipês da Av. Dona Floriana podem estar comprometidos. Também, as palmeiras (imperiais) do antigo fórum (e nova Câmara). Não conversei com especialista, mas um amigo que manja do assunto disse que as raízes dessas palmeiras são rasas em comparação ao comprimento das mesmas e um vento mais forte pode derrubá-las. Concordo com ele, essas árvores PARECEM oferecer risco à nossa segurança. Sei que prevenção é o melhor remédio, mas não consigo imaginar nossa paisagem sem essas palmeiras. Certamente, num futuro bem próximo, o centro da cidade será outro se continuarmos permitindo que descaracterizem ou dilapidem nossos patrimônios históricos.

Quanto às árvores das fotos (do estacionamento, ponto de ônibus e aquelas próximas à extinta Polenghi), o mesmo amigo afirmou que elas não oferecem risco às pessoas, apenas devem ser podadas, tanto nas laterais como no topo. Ele também afirmou que as raízes das mesmas não crescem indefinidamente, oferecendo risco aos imóveis situados nas laterais da avenida (vou confirmar esta informação com outros especialistas, me aguarde). Como falou o taxista, na postagem anterior, o topo dessas árvores nunca foi podado. Geralmente, quem faz essa manutenção é a CEMIG, por causa dos fios de eletricidade, duas ou uma vez ao ano, cortando as laterais. Parece não ser suficiente. Outras perguntas para a SMA: Por que a prefeitura não realiza essas podas em intervalos menores e da maneira adequada? Tem profissionais no departamento de Obras habilitados para esse tipo de serviço?

Bom, quem fala muito sempre corre o risco de pagar mico. Aqui, no mundo virtual, toda hora é hora de assumir e corrigir erros. Por exemplo, hoje, o mesmo amigo me disse que essas árvores de grande porte não precisam ser aguadas, como as de jardim, pois em épocas de seca elas retiram do solo o alimento necessário à sua sobrevivência. Também quero checar esta informação com outras fontes.







Comentários

Jaunpedromarques disse…
NÃO ACHO CERTO CORTAREM AS PALMEIRAS IMPERIAIS,POIS A RAIZ DELA É MONOCOTILEDÔNEA,OU SEJA,O VENTO NÃO DERUBE,QUANDO UMA PALMEIRA MORRE,O TRONCO DELA FICA EM PÉ,SÓ AS FOLHAS QUE CAEM,POR ISSO QUE O COQUEIRO NASCE NAS AREIS DAS PRAIS,POR NÃO POSSUIR RAIZ PRINCIPAL,O VENTO BALANÇA E ELE NÃO CAI...
QUANTO AOS IPÊS ACHO ERRADO A FORMA EM QUE A PREFEITURA LIDA COM A AVENIDA,DEIXAM OS IPÊS NA TERRA COMPACTADA,ELES ESTÃO ALI A MAIS DE 20 TALVEZ 30 ANOS,E SEM ADUBOS,COM POUCA AGUA,POR ISSO QUE QUANDO VEM CHUVA,OS VENTOS DERRUBAM TODOS OS GALHOS,SE O PREFEITO E A PREFEITURA TIVESSE AMOR AS ÁRVORES DA CIDADE MANDARIAM CUIDAR MELHOR DALAS,CONTRATANDO ALGUM JARDINEIRO OU AGRÔNOMO PARA TRATAR DAS NOSSAS BELAS ATRAÇÕES,QUE SÃO OS IPÊS EM FLORAÇÃO...
MUITO TRISTE ISSO
bisteca disse…
Oi, companheiro (João Pedro? rs)

Concordo plenamente com você. Quem sabe, agora, com a nova eleição consigamos colocar alguém no comando que se preocupe mais com a natureza e nossos patrimônios históricos e culturais. Sinto muita tristeza, também, ao observar o descaso com que nossas árvores costumam ser tratadas.

abraço
(ou como poeticamente finaliza o músico Rodrigo Sá, há braços)

Postagens mais visitadas deste blog

transformAÇÕES

guerreira da roça

guaxupé - cem histórias